Orientando a população na escolha dos alimentos

Hoje, está claro e comprovado o alto consumo e presença de alimentos ultra-processados na mesa de todos os brasileiros. São os biscoitos, salgadinhos, refrigerantes, achocolatados, cereais matinais, molhos prontos, o famoso ‘miojo’ e leite condensado, entre outros. O consumo destes itens está associado à obesidade, a doenças cardiovasculares, câncer, diabetes, hipertensão arterial etc.

Uma pesquisa recente feita pela Universidade de São Paulo (USP), com 105.159 brasileiros, idade média de 43 anos, avaliou o que o brasileiro come, analisando a ingestão a partir de um diário alimentar. Os alimentos foram separados pelo grau de processamento – in natura, minimamente processado, processado ou ultraprocessado. O resultado? Um quadro assustador da incidência de doenças nos indivíduos entre 2009 e 2018. O estudo apontou um acréscimo de 10% de alimentos ultra-processados na alimentação do brasileiro e aumento de 12% no risco de desenvolver doenças cardiovasculares.

A Vigitel (instituto do Ministério da Saúde que avalia fatores de risco de doenças crônicas na população brasileira) confirmou uma prevalência de 50% de pessoas já com sobrepeso, 17,5% de obesidade 6,9% de diabetes e 24,1% de hipertensão. Estes números, em grande parte, são provocados pelo consumo de alimentos ultra-processados e pelo baixo consumo de alimentos in natura.

Alimentos in natura: obtidos de plantas ou animais adquiridos para consumo sem terem sofrido processamento (produtos naturais – frutas, legumes, verduras, castanhas, ovos, carne, frango, peixe, castanhas, cogumelos etc) . Existe também outra categoria classificada como ‘minimamente processado’, que é quando os alimentos in natura são submetidos a processos de limpeza, remoção de partes indesejáveis ou não comestíveis, fracionamento, moagem, secagem e etc. Por exemplo: frutas, legumes, verduras, carnes, frango, peixe, tubérculos, cogumelos, castanhas já higienizados ou porcionados prontos para consumo.

Alimentos processados: são fabricados pela indústria com adição de sal, açúcar ou outra substância para tornar os alimentos in natura mais palatáveis ou aumentar sua durabilidade.

Por exemplo: conservas, frutas em calda, peixes em conserva, pães, queijos, carnes secas, bacalhau, ervilha ou milho em lata, extrato de tomate e molho de tomate etc.

Alimentos ultra-processados: são formulações industriais feitas com cinco ou mais ingredientes. Eles tem gosto de comida, parecem com comida e até tem cheiro de comida, mas são imitações. São pobres nutricionalmente, ricos em calorias vazias, açúcar, gorduras, sal, aditivos químicos com sabor realçado e maior prazo de validade. Eles são produzidas nas fábricas e combinam muitos ingredientes que não costumamos encontrar na noss despensa.

São coisas como extrato de carnes, gordura vegetal hidrogenada, xarope de frutose, espessantes, emulsificantes, corantes, aromatizantes, realçadores de sabor e vários outros tipos de aditivos. Por exemplo: lasanha congelada, nuggets, miojo, refrigerante, suco de caixinha, molho de tomate pronto, macarrão instantâneo, sucos em pó, tempero pronto, biscoito recheado, salgadinhos de pacote, barrinha de cereal.

GruposDefiniçãoExemplos 
Alimentos in naturaAlimentos naturais que não sofreram nenhum tipo de processamentoFrutas, legumes, verduras, castanhas, grãos, tubérculos, raízes, café, ovos, leiteFruta abacaxi
Alimentos minimamente processadosAlimentos in natura que sofreram alterações como secagem, moagem, higienização, fracionamento, fermentação etc.frutas secas,  arroz, feijão, cogumelos, frutas, legumes ou verduras porcionadas e higenizadas, alho picado, cenoura processada ralada, batata descascadaAbacaxi porcionado e /higienizado
Alimentos processadosProdutos fabricados com adiçao de sal ou açúcar com objetivo de tornar mais duráveis e melhora do paladarFrutas em calda, legumes em conserva, queijos, pãesAbacaxi em calda
Alimentos ultraprocessadosProduto cuja fabricação envolve diversas etapas, técnicas de processamento e ingredientes: conservantes, emulsificantes, corantes. Objetivo de tornar acessível, palatável, apresentar longa vida de prateleira e praticidadeMacarrão instantâneo,  refrigerantes, salgadinhos, biscoitos, suco de caixinha, sucos em pó, molhos de tomate prontos, sorvetes, batatas fritas, bolos, doces, barras de cereais, iogurtes, embutidosSuco de abacaxi em pó

Basta pensar: não existe na natureza nada para colher e desembalar. Nada vem embalado, com rótulo e lista de ingredientes. Logo, quando mais perto o alimento estiver de sua condição natural, mais saudável ele será. Quanto mais artificial e ‘durável’, mais químico e aditivado, menos saudável. A regra é: descascar mais e desembalar menos.


Fontes:

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para população brasileira – A escolha dos alimentos. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014

BRESSAN.R. Alimentos processados e ultra-processados. ABESO – Associação Brasileira de Para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Acesso em 10/12/2019.

MANARINI.T. Alimentos ultra-processados elevam rico de doenças cardiovasculares. ACT Promoção da Saúde. Acesso em: 10/12/2019

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. VIGITEL – Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2017.

nutricionista Luisa Macedo Nunes
Sobre o autor(a)
Luisa Macedo Nunes

CRN 42157

Nutricionista clínica funcional com foco em nutrição preventiva, emagrecimento saudável com reeducação alimentar e pacientes oncológicos.

Gostou desse texto? Então compartilhe
Compartilhar no facebook
Compatilhar no Facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no Linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no Twitter

Deixe um comentário