Higienização correta dos alimentos evita contaminações e garante consumo saudável

O manuseio dos alimentos e sua preparação exigem cuidados especiais e a utilização de produtos adequados para que a comida fique apta ao consumo. Mas muita gente ainda tem dúvidas sobre este tema. Como aproveitar o melhor dos alimentos sem qualquer risco à saúde?

Para saber o que é certo e errado na hora de higienizar frutas, verduras, legumes e carnes, conversamos com a nutricionista materno-infantil Daniela Muller, do Núcleo Paulista de Especialidades Médicas.

Existe uma maneira correta de higienizar os alimentos que vão ser consumidos crus? 

A nutricionista Daniela Muller afirma que sim. “Alimentos crus como verdura, frutas e legumes necessitam ser limpos e desinfetados antes do seu consumo. Antes de higienizar os alimentos, é importante que tanto as mãos de quem manipula estejam limpas, assim como bancada e pia também estejam higienizadas de forma correta para evitar possíveis riscos de contaminações”.

Estas são as orientações para higienização dos alimentos crus:

  • Lave bem em água corrente para remover as sujeiras superficiais (remover terra e outros resíduos). Para os folhosos, o ideal é lavar folha por folha; para os legumes e frutas é possível utilizar uma escovinha própria para este uso;
  • Depois, mergulhe os alimentos em uma solução com água sanitária (para esta finalidade) ou com solução de hipoclorito de sódio (para 1 L de água colocar 1 colher de sopa de água sanitária ou 15 gotas de hipoclorito de sódio) e deixe por 20 minutos;
  • Após isso, enxague bem os alimentos com água corrente e deixe-os secar naturalmente ou com a ajuda de uma centrifuga para alimentos. Os alimentos também podem ser secos com um papel toalha e, assim, ficam tanto prontos para consumo ou para armazenamento.
  • Para alimentos que não serão consumidos com casca (por exemplo, a laranja) somente lavar bem em água corrente.

Esse processo de higienização muda para alimentos que serão cozidos?

“Para alimentos que vão ser cozidos o ideal é que lave bem em água corrente”, diz Daniela Muller. Não é necessário passar pela solução desinfetante, pois o processo de cocção já é uma forma de eliminar os microrganismos. Porém, todos os alimentos submetidos a cocção devem ultrapassar a temperatura mínima de 740C no centro do alimento.

“Alguns alimentos não têm necessidade de lavar, como por exemplo carnes e frangos. As lavagens dos mesmos podem respingar água pela cozinha e contaminar a pia e os alimentos que estão ao redor, chamamos assim de contaminação cruzada. Quando for manipular estes alimentos, verifique se a carne está em bom estado para consumo, caso apresente odores, texturas pegajosas sinal que não está boa e neste caso é necessário descartar! ”, ressalta a nutricionista. 

Com os ovos, o procedimento é o mesmo. “Não tem necessidade de lavar e armazenar! Eles possuem uma casca porosa e são susceptíveis a contaminações. Se precisar lavar, lave antes do preparo para tirar as impurezas”, destaca.

Quais são os principais agentes perigosos que podem estar na casca dos alimentos? Quais riscos podem representar à saúde?

A casca é uma das partes importantes do alimento pois, além de conferir proteção, ela também é rica em nutrientes.  “Porém, na maioria das vezes, é ela que vai apontar se aquele alimento vai estar bom para consumo ou não. A contaminação, em grande parte dos casos, não é visível a olho nu. Por isso a importância da lavagem e higienização da forma adequada”, explica Daniela Muller. 

A contaminação do alimento pode ocorrer de várias formas:

  • Contaminação química: produtos de limpeza, inseticida, agrotóxicos;
  • Contaminação física: cabelo, pedra, lascas de madeira, parafuso;
  • Contaminação biológica: vírus, bactérias, fungos e parasitas.
  • Contaminação direta: ocorre quando há contato do manipulador contaminado diretamente com o alimento, por má́ higienização das mãos, tosse ou espirros;
  • Contaminação indireta: ocorre quando há contato do manipulador contaminado diretamente com o alimento, por má higienização das mãos, tosse ou espirros. 

Quando um alimento não é preparado e consumido de forma adequada, este pode provocar contaminação e levar a doenças veiculadas por alimento (DVA). “A ingestão dos alimentos contaminados gera um quadro de intoxicação alimentar e os sintomas podem aparecer entre 1h a 36h após a ingestão do alimento contaminado. Os sintomas mais comuns são vômitos, diarreia, náuseas, dores abdominais, desidratação e pode apresentar febre. Em caso de contaminação, o ideal é procurar ajuda médica”, alerta a nutricionista.

É necessário secar os alimentos?

Daniela Muller ensina que o ideal é secar os alimentos naturalmente. “Mas pode também contar com a ajuda de uma centrífuga ou secar bem com papel toalha antes de armazenar”.

Gostou desse texto? Então compartilhe
Compartilhar no facebook
Compatilhar no Facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no Linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no Twitter

Deixe um comentário