Aproveitamento de partes não-convencionais dos alimentos permite a criação de receitas mais nutritivas e maior economia na cozinha

O que você acha de preparar um cardápio diferente para a próxima refeição? As sugestões de pratos incluem sopa de talos de brócolis de entrada e rolê de carne com cascas acompanhado de uma farofa de casca de melão para a refeição principal. Para beber, suco de casca de melancia e hortelã e, de sobremesa, brigadeiro de mandioca.

Estas são algumas das receitas desenvolvidas pelo projeto Alimente-se Bem, que procura combinar alimentação saudável, economia na cozinha e criatividade. O programa, dedicado à reeducação alimentar e aproveitamento integral dos alimentos, já existe há mais de duas décadas de saúde e sustentabilidade. “Incentivamos o hábito do aproveitamento integral de frutas, verduras e legumes para o preparo de receitas nutritivas, saborosas e sem desperdícios”, ressalta a nutricionista Michelle Bedolini, especialista em Nutrição do SESI-SP.  

O projeto teve início com uma pesquisa que buscou entender as demandas da população sobre economia e necessidades nutricionais, ainda em 1999. O primeiro foco foi estimular a geração de renda extra para esposas de trabalhadores da indústria. “As receitas acabaram sendo um recurso didático para ensinar nosso público sobre nutrição e economia doméstica, desenvolvendo habilidades culinárias e evitando os desperdícios”, afirma Michelle.

A nutricionista cita que o brasileiro ainda tem um consumo inadequado da quantidade recomendada de frutas e hortaliças. A ideia de utilizar casca, talos e folhas viria trazer mais opções para as receitas e potencializar o valor nutricional dos pratos, aproveitando partes que normalmente iriam para o lixo.

“Trabalhamos muito a questão das receitas práticas. Iniciamos com as preparações mais rápidas, com algo mais similar às comidas que o brasileiro está acostumado a consumir. Criamos, por exemplo, um brigadeiro de mandioca”, destaca Michelle. 

A casca da banana virou a ‘queridinha’ dos preparos. “Nossa população consome muito a banana e a casca é muito fácil de preparar, tem uma cocção rápida. Ela enriquece os pratos com fibras, potássio, vitamina C e pode ser usada em bolos, farofas e até para ser consumida como bife”, recomenda a nutricionista.

Para entender melhor os benefícios nutricionais das receitas, o programa publicou, em parceria com a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), a primeira Tabela de Composição das Partes Não Convencionais dos Alimentos, com os valores nutritivos de cascas, talos, sementes, raízes e folhas de algumas frutas e hortaliças.

No documento, é possível checar o valor nutricional de diversos legumes, frutas, verduras, e saber, por exemplo, que a casca da melancia tem mais proteínas, fibras e potássio e menos carboidratos que a polpa da fruta. Já o talo da salsinha possui proteínas, carboidratos, lipídeos, fibras, vitamina C e carotenoides que não estão presentes nas folhas, além de índices mais altos de cálcio e potássio. A semente da abóbora possui teores elevados de proteínas, lipídeos e fibras, além de cálcio, potássio, fósforo e ferro.

“Os talos e as folhas são muito fáceis de serem utilizados, porque se assemelham às verduras que consumimos normalmente. A folha da couve-flor é muito gostosa, assim como a do brócolis”, acrescenta Michelle. Esses ingredientes são utilizados, por exemplo, no preparo de uma deliciosa e diferente torta de verduras.

A expansão do programa para as plataformas digitais já estava decidida e se consolidou no ano passado, com a necessidade do distanciamento social. Em outubro de 2020, foi lançado o portal da internet, com a publicação de livros e guias, além de receitas e do conceito dos cursos que eram dados presencialmente – e que hoje ocorre com pequenos grupos, onde é possível. O site ganhou a audiência de muitas pessoas que passaram a cozinhar mais e queriam saber como utilizar melhor os alimentos. 

Que tal experimentar um prato diferente, nutritivo e econômico? As receitas do projeto podem ser consultadas no portal alimentesebem.sesisp.org.br

Gostou desse texto? Então compartilhe
Compatilhar no Facebook
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Linkedin
Compartilhar no Twitter

Deixe um comentário